Fernando Carpaneda is an underground punk artist. He works with clay sculptures and paintings. contemporary artist,sculpture,sculptor,underground art, punk art, lowbrow art 

Escultura de Fernando Carpaneda é premiada em Seattle. O artista foi premiado durante o Seattle Erotic Art Festival 2016. Para ver a escultura premiada clique aqui:

ARTE PELA LIBERDADE!

Entrevista com Fernando Carpaneda publicada no jornal Correio Braziliense.

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2017/09/28/interna_diversao_arte,629586/fernando-carpaneda-prepara-exposicao-erotica-em-brasilia.shtml


Pode me contar primeiro como vai ser a exposição, do que se trata exatamente?
Essa exposicao na XXX Arte Contemporânea, única representante minha no Brasil, apresentará esculturas premiadas no seattle Erotic Art Festival, que é um dos maiores salões de arte e sexualidade dos Estados Unidos. O festival está comemorando 15 anos de exibições no país, e reúne artistas contemporâneos do mundo todo. Ano passado ganhei um prêmio de escultura e, nesse ano, fui convidado especial com 20 esculturas, que fizeram parte do prêmio. São essas 20 esculturas, além de alguns desenhos e obras antigas que pertenceram a um amigo já falecido, que serão expostas em Brasília sob curadoria de Rogério Carvalho . 

De que forma a exposição se relaciona com o que está acontecendo hoje no Brasil e no mundo, com intolerância e conservadorismo?

Eu acho que intolerância e conservadorismo sempre existiram, mas com o avanço da internet em países como o Brasil, as pessoas sem acesso a cultura e mais conservadoras, que antes conheciam o mundo apenas pela televisao, passaram a ter contato com questões que sempre foram parte de grupos específicos. Meus trabalhos sempre foram direcionados a um público com consciência sobre questões sociais e culturais. Dialogam com essas questões desde os anos 80, e para mim, não é surpresa alguma o que acontece hoje no Brasil.

  
Qual o papel da arte nesse cenário?
Liberdade de expressão. 

Como você encara essas reações de parte conservadora da sociedade em relação a manifestações artísticas que comentam o mundo contemporâneo e questões como sexualidade e discriminação?

A arte pretende promover liberdade de expressão e conhecimento, porém, não são todos que possuem conhecimento e sensibilidade para entender ou discutir sobre o assunto. Conservadorismo e falta de informação são recorrentes. Nossa sociedade é formada por pessoas com realidades e estilos de vida diferentes e não temos o direito de obrigar pessoas a seguirem a nossa realidade, assim como ninguém tem o direito de nos impor a sua. A sexualidade humana é complexa e não cabe a ninguém julgá-la. Conheco pessoas que ja foram abusadas sexualmente por pastores, por padres e por membros familiares e obviamente não vêem o mundo da mesma forma que eu - Se a sexualidade de um artista te incomoda, pense duas vezes antes de criticá-lo ou de discriminá-lo, porque nem todo mundo teve a mesma vida que você. 

Os artistas estão fragilizados por essas reações? Por que?
Quando se trabalha com temas pouco usuais devemos estar sempre preparados para as reações negativas. Ninguém é obrigado a gostar do trabalho que você faz, porém, não devo adequar as minhas intenções por conta disso.   

Você acha que há mais tolerância nesse sentido em países como os Estados Unidos? Por que?
Não. O que existe são Leis mais rígidas e sua aplicação na proteção aos artistas. Leis que protegem a liberdade de expressão de cada indivíduo.Leis que protegem espacos culturais a apresentarem o que desejarem sem censura.  


Como encara fechamentos e proibições de exposições como a que aconteceu em Porto Alegre?
Não é surpresa. Já houve outras vezes situações parecidas. Precisamos no Brasil  de Leis que protejam espacos culturais e leis que protejam a liberdade de expressão. Se alguém não gosta de arte vinculada à sexualidade, nao visite exposições de arte e sexualidade. Simples!
 
O Brasil está mais conservador? Você nota isso? E por que acha que isso está acontecendo?

Não. O Brasil sempre foi conservador e isso nao vai mudar tão cedo. A questao é cultural e questões culturias não mudam da noite para o dia.   
 
Acha que a internet tem um papel na potencialização de reações conservadoras?
Sim acho. Acho que é bem mais fácil para covardes se manisfestarem quando estão atrás de uma tela de computador. 


O que você acha que deve ser feito?
Investimentos em cultura, educação e consequentemente revisão da legislação aplicada ao assunto.

"KEN" Acrylic on Canvas, 20"x24", Year:2017

PINTURAS 

PINTURAS HOMOEROTICAS 

ESCULTURAS

Fernando Carpaneda iniciou sua carreira aos 13 anos de idade, pintando paisagens ingênuas e retratos despretensiosos. Hoje, artista de carreira internacional, sua obra já alcançou grande prestígio e reconhecimento na Rússia, Espanha, Itália e EUA.


Fernando Carpaneda desenvolveu desde o início de sua criação artística uma tendência a mostrar sua erotização em particular com o corpo masculino. Parte do cotidiano de cada um de nós, a sexualidade oprimida, silenciada, em Carpaneda é explicitada e põe em diálogo aberto os universos interiores e exteriores. Artistas consagrados já trabalharam o tema de forma sutil ou mesmo exagerada. Michelangelo Buonarrotti, no teto da capela Sistina pintou um Cristo musculoso, homem desenvolvido, pintou um Deus grande dando vida a um homem também já adulto e esculpiu um Davi heroicamente másculo, como másculo também foi seu Escravo Moribundo. Caravaggio utilizou formas delicadas, atraentes e sedutoras no seu Baco. Passados alguns séculos Tom of Finland trouxe de forma mais explícita em sua arte a erotização mostrando homens camponeses, fazendeiros, lenhadores, trabalhadores da construção, policiais, marinheiros e outros, com corpos à mostra, nus ou seminus, e com enormes pênis. Mas uma aura de romantismo permeia seu trabalho, ainda que se mostre por vezes revestido de elementos do inconsciente proibido: o couro. Brad Rader em seus desenhos e o polonês ULF, com seus homens criados em computador, são absolutamente mais ousados e colocam à vista não só falos eretos mas ainda orgasmos efetivados e cenas instantâneas de desejo e violência. Estes artistas proclamaram uma elegia aos prazeres e aos corpos, em sua maioria, grandes e musculosos. Carpaneda, utilizando-se do seu campo material, mostra em sua arte homoerótica, homens comuns, das ruas, de suas experiências pessoais. Assim, emergem em suas esculturas, punks, mendigos e homens distantes modelos imaginados.

Leia mais aqui.